Como turbinar a sua carreira

galaxia-gigante-ainda-cresce-messier-87

Este post é uma revolta.

Imagine um dia em que você tá lá fazendo um curso de Planejamento Estratégico, PENSANDO NA SUA CARREIRA e sua vida muda.

Novembro de 2014. Foi a primeira vez que eu li sobre cérebro.

Resolvi ler um livro indicado pela prof chamado O Poder do Hábito do Charles Duhigg, um repórter investigativo do New York Times. Acho que a categoria do livro é autoajuda corporativa ou pior: administração.

Joguei fora os preconceitos, li, amei, guardei no coração. Entender o que é um hábito foi fascinante. Os casos do livro que eu mais gosto são:

  • A história de uma moça que tomou uma bota e deu a volta por cima perdendo muitos quilos, virando atleta, viajante e feliz =)
  • Como e por que Hey Ya do Outkast estourou nas rádios
  • Por que a gente só sente a boca limpa com pasta de dente sabor menta e
  • Como um homem que perdeu a memória consegue voltar pra casa, mesmo não lembrando onde ela fica SAY WHAT.

Lendo os outros livros indicados, percebi que apesar da categoria ser marketing, administração e outras coisas piores tipo PUBLICIDADE, comecei a notar uma nova estranha paixão surgindo em minh’alma.

A paixão por entender o comportamento das pessoas.
Sempre amei biologia na escola, inclusive era minha segunda opção no vestibular (depois de Publicidade). Não me via trabalhando em um laboratório, então eu cresci, nunca mais vi a cara de uma mitocôndria e virei de humanas. Agradeço imensamente à professora Johanna Skilling  por me ensinar que entender como a gente funciona é libertador. Eu te amo. Brincadeira. É sério. Foi depois das aulas desta mulher que comecei a devorar livros sobre o sistema nervoso.

Pois bem, um belo dia, começo a freelar numa agência nova, vou ao happy hour e PIMBA, ouço uma voz falando de um tal Oliver Sacks, grande neurologista que escreveu trilhões de livros legais, que me foi apresentando pela minha amiga-roomate-só-acerta Dedê. Viro e é a Gabi Estrategista falando que faz pós em Neurociência (!!!) e contando que a bibliografia do curso pede um monte de livro que a mamãe aqui já leu. RISOS.

Vou eu e pergunto onde fica a tal pós e a resposta é Mackenzie: lugar em que estudei por poucos 18 anos da minha vida, lugar que me criou, lugar em que fui bolsista e nerd, colegial e universitária, pura e sem pudor. A BOA FILHA À CASA TORNA. Matriculei-me. Bora arredondar esses anos aí pra 20.

Para esclarecer:

Publicitário pode fazer pós em neurociência? Pode.

Pode ir pra agência de jaleco? Não pode.

Neurociência é o estudo do sistema nervoso, isto é, como ele funciona, se quebrar pra quem a gente liga, como que faz pra ficar melhor. No primeiro semestre, as aulas foram Neuroanatomia e Neurofisiologia (olá, mitocôndria, que saudades), Sensação e Percepção (aprendi a diferença!), Consciência e suas Bases Neurobiológicas, e Atenção e Memória.

E sim, vou com certeza compartilhar as coisas mais legais que aprendo aqui, mas calma. Esse post é uma dica para turbinar a carreira, olhe o título.

As respostas que você procura estão daqui pra baixo.

Ainda tem muita gente que me pergunta por que diabos eu estou fazendo pós em Neurociência. Eu tenho muitas respostas, mas a que eu mais gosto é: porque eu quero.  

Outra pergunta que me irrita muito é  “mas esse curso vai ajudar na sua carreira?”.  Entenda uma coisa muito importante:  o centro da minha vida é o meu umbigo. A carreira e o trabalho são só dois planetas nessa grande galáxia chamada EU.

Não me entenda mal. Eu gosto do meu emprego, eu gosto do meu trabalho, eu gosto das 8 (ou mais) horas que passo tendo ideias brilhantes, mas eu também gosto de música tipo toada, de ler parede de banheiro, de ficar no Twitter falando bosta, de fingir que eu sei falar japonês, de dar risada em filme que ninguém acha graça, de ver casais empoderados, de ver bicho adotado passeando com dono na rua, de receber postais, de ouvir mensagens de voz dos amigos de fora de SP que eu esqueci que tinham sotaque, das ideias estapafúrdias que as crianças têm e MUITO MAIS COISA.

O ponto é: meu trabalho não sou eu.

Mas se você quer mesmo saber, a resposta é sim, ajuda na carreira. Eu não vou usar a neurociência para o mal e vender produtos que você não precisa. Isso eu já faço sem o título de especialista hahaha credo. Entender como as pessoas funcionam me faz comunicar melhor.

Para turbinar a sua carreira, eis aqui o segredo: não turbine sua carreira, turbine você.  Entenda que você é muito mais o que diz a sua assinatura de e-mail ou o seu crachá e isso deveria ser o foco para se SUBIR NA VIDA. Sim, estude algo na sua área, atualize-se sempre, mas não se esqueça de você e do que você quer, porque aí, quando te perguntarem oi, o que você faz?, a resposta vai ser sucesso.

Caraca, ficou muito autoajuda esse post.

Beijas.

tumblr_n1e11bZ9zU1rtztlko1_500

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *